segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Encerrando o livro

Dias que Vivi até Hoje é um livro de 9.526 páginas que contém até as páginas dos anos bissextos. Começou com a protagonista sendo sempre a menor da turma, a oradora da turma, até ser a excluída chata da turma. Cresceu órfã tentando entender referências adultas que pudesse usar no futuro. Na puberdade encontrou o amor - ou o que achava que era, porém descobriu o significado de "coração partido" e que aquilo parecia muito com uma dor física.

Falando em dor física, o que dizer daquele dia em que seu coração parou de bater e teve de ser ressuscitada? Ainda era a única pessoa que conhecia pessoalmente que havia morrido e voltado. Secretamente imaginava que quando conhecesse outra pessoa que tenha passado por isso, que as duas vão se olhar e se entender mutuamente numa fração de segundos sobre essa experiência transcendental.

Mais tarde, entrou para as magias ocultas, leu uma quantidade de livros muito próxima de três centenas, vendeu 2/3 disso em sebos... passou a frequentar lugares exóticos que nada tinham a ver com sua idade e conhecer pessoas pelas quais descobriu uma nova paixão: o ser humano como um ser completo. 

Gostava de prestar atenção no som das risadas, no tom de voz das pessoas que mudava conforme seus estados de espírito. Poucas vezes teve o enorme prazer em ouvir o coração delas batendo, mas aquilo lhe trazia um sentimento de plenitude.

Sentia falta de todos que perdeu para o jogo da morte, de todos que perdeu para o jogo da vida... 

Gostava de fechar os olhos para dormir e enxergar o universo em sua mente, como várias galáxias novas abrindo e explodindo em cores radiantes diante de seus olhos. Sempre adormecia sorrindo e sentindo-se a única expectadora de um espetáculo especial.

Guardou os gostos particulares para si, porque percebeu que ter coisas em comum com outras pessoas não queria dizer que elas pensassem parecido. Sentia prazer em andar pela cidade às 04h da manhã ouvindo os pássaros começando a cantar, o som de seus passos e os de quem a acompanhava, como se fossem os únicos dois seres vivos no planeta.

Gostava de ver que um simples piscar de olhos podia provocar reações diversas em várias pessoas. - Qual o problema de olhar nos olhos?, parecia que algumas pessoas tinham medo de serem vistas. Bem, ela os via, os outros querendo ou não. Observava as linhas de expressão ao redor das bocas - e sentia-se estranhamente feliz ao ver linhas de felicidade nos rostos alheios; estranhamente preocupada com aquela marquinha vertical entre as sobrancelhas alheias.

Tinha enorme facilidade de sair sozinha e fazer amigos na fila da padaria, do cinema, da loja de roupas, comprando maquiagem, na fila do xerox... ganhar descontos nos sebos, nos cafés...

Gostava de filmes que exibiam as pessoas como elas são, como O Sal da Terra, sobre a vida de Sebastião Salgado. - Aquele homem sabia ver as pessoas! Ela sonha em aprender a vê-las daquela mesma forma algum dia.

E a música? Amava músicas que parecessem conversar com a sua alma. Como se o compositor estivesse criando uma linda história em notas musicais, que ela, conscientemente, não entendia para traduzir em palavras, mas sentia com a alma.

Apesar da aparente tranquilidade de todos os dias, tão elogiada pelos amigos e conhecidos, sabia que era - na verdade, muito impulsiva e intempestiva quando se tratava de expressar sentimentos de afeto romântico. Mas não se importava com isso, sabia que era questão de tempo até aprender o jeito - ou encontrar alguém que não se importasse com isso também.

Mais tarde aprendeu que se havia amor maternal de sobra em seu coração, devia passá-lo adiante para os que careciam disso e então parou de tentar encaixar-se num mundo de massas. Entendeu que já era parte do todo, era peça fundamental em tornar melhor o dia das pessoas sempre que em contato com elas.

E assim, hoje terminam essas 9.526 páginas. Amanhã retornamos na página 1 de um novo livro.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Crônica sobre o vácuo mental causado pelas ladeiras da vida

Hoje descobri que o melhor momento para reflexão sobre a vida não é no chuveiro tomando banho, é subindo lombas.

Depois de trabalhar o dia inteiro, enfrentar o trânsito caótico pós 18hs por 1h e meia, pegar dois ônibus lotados e etc... lá estava eu do outro lado da cidade pronta para uma consulta médica.

Consultei. Fui embora. Para voltar, não existia opção senão caminhar um bom pedaço. Subi a primeira lomba em 10 minutos... Respirei... Dobrei a esquina... Mais uma lomba. E essa era mais íngreme e mais longa. Estava refletindo ainda sobre minha consulta no médico minutos antes. De repente, esqueci o médico.

Esqueci os motivos que me levaram até ele. Esqueci meus últimos problemas. Esqueci minha adolescência. Meus problemas de infância... Que problemas?

Meu cérebro tinha parado de interpretar qualquer coisa que não fosse o chão sob meus pés. Tornei-me um robô completamente focado no próximo passo. Não existia mais eu. Só um passo depois do outro e a mão sobre o coração desejando que ele continuasse a bater.

Gente sedentária é assim.

Vácuo mental total.

Curei meus males.

Que males?

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Empresa Fantasma

Já parou para pensar que sua empresa não existe além do mundo da imaginação?

Sim, é totalmente verdade. Pois nenhum cliente é atendido por um CNPJ, por folhas de papel ou pelas paredes e sim por pessoas. Sempre que entramos em um estabelecimento, há alguém que representará a empresa. E se esta pessoa não suprir nossas necessidades como cliente, a quem culparemos? A empresa!

A empresa é formada por pessoas e atitudes. Portanto, se somos a empresa em que trabalhamos, sejamos cuidadosos em nossos círculos sociais e profissionais para zelar pelo nosso patrimônio. O coletivo é como uma imagem em uma tela artística e todos nós somos responsáveis por manter as cores certas em seus devidos lugares. 

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

4 Benefícios de Ser Você Mesmo

Parece até um pouco bobo fazer uma lista sobre um tema que parece tão óbvio. Porém, isso pode ser útil na construção e afirmação de caráter. Segue alguns dos benefícios de sermos nós mesmos:

1 - Sem a pressão psicológica de ser o que você não é, tudo flui de forma mais simples.
Sem corpo rígido! Em vez de ficar tenso e desalojado, você simplesmente segue seu próprio ritmo.

2 - Dá menos trabalho e permite que usemos nossa atenção para focar em coisas que realmente importam.
Isso nos torna mais objetivos, práticos e racionais.

3 - Permite uma resposta mais rápida e objetiva em situações cotidianas.
Pensar no que o "fulano" faria só protela decisões que demandam urgência.

4 - Você fica ciente de suas limitações.
Então pode escolher melhorar o que é passível de melhora e aceitar o que não tem como. Ex.: Por mais que eu queira, aos 24 anos não dá para continuar em fase de crescimento e ficar mais alta.

Simples, tranquilo e seguro. Sem mistérios.

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Trabalho ensina?

Ensina.

Mas isso depende do que estamos dispostos a aprender.

Trabalhei em áreas diversas ao longo da vida e com isso aprendi que não importa o que estejamos fazendo, desde que façamos bem, com educação e respeito ao próximo.

Pode achar que não tem jeito com vendas, por exemplo. Mas posso sugerir que não é "jeito" que falta para nos tornarmos o melhor profissional de vendas e sim a vontade de aprender. De tanto repetir alguma ação, chega uma hora em que ela se torna automática. Isso vale para todo mundo, em qualquer função.

O trabalho é o que você faz dele. Em 99% dos casos, as pessoas vão lhe tratar como você as trata. Os outros 1% são exceções que não vale a pena citar, pois se enquadram naquela frase que diz "Quem é cordial com você e descortês com o garçom, não pode ser boa pessoa."

Então fique tranquilo. Dê um tapinha nas costas do “Medo” e diga “Hoje não, parceiro!”

Pense em quantas desculpas já usamos para permanecer em nossas zonas de conforto. É como se disséssemos: "Se eu não sair da minha zona de conforto, posso continuar culpando o sistema. Mas se eu sair, serei responsável pelo meu sucesso ou fracasso... e isso eu não quero!" 

O que o ser humano pode aprender?
O que ele quiser.

O que você gostaria de aprender?

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Afinidade

Às vezes acreditamos que todas as pessoas tenham um grande potencial e a essência dentro delas seja puro amor. Mas não adianta querer que todas elas saibam disso ao mesmo tempo. Algumas pessoas simplesmente não estão prontas e podemos nos ferir se tentarmos ajudá-las antes do momento certo.

Nosso foco deve ser nos que permanecem, não nos que partem. Refletir sobre a beleza dos que ficam, pois se você tem pessoas incríveis em sua vida é porque neste momento você é incrível também.

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

O Medo e Suas Razões

Existem lutas que travamos todo o dia, mas existem gatilhos que desencadeiam alguns traumas. Acho que descobri alguns dos meus gatilhos. Logo que começam se manifestar, dou um jeito de acalmar minha mente. Perdoo quem os causa no mesmo instante pois sei que não passam de testes. Me dou um tapinha nas costas mentalmente dizendo "Hey girl... Congrats! Keep going..."

E é assim que vai ser daqui para frente. Mas uma hora a gente aprende. Humanos e errantes todos são. Até o dia em que não mais o serão, tenho fé. A gente aprende com o passar dos anos a adquirir serenidade... Aprende que as pessoas são diferentes e que a paz é uma conquista pessoal e intransferível.

Hoje posso dizer que me orgulho de alguns tombos, pois foram eles que me trouxeram e trazem respostas todos os dias. O medo sempre vai existir, mas a resposta correta é continuar andando e ouvindo o que ele tem a dizer.

sábado, 3 de agosto de 2013

Vida Breve

Acredito que a vida é eterna. E digo isso, por ter algumas experiências pessoais que transcendem limites e que me são impossíveis de ignorar.

Mas cada etapa da vida é feita de oportunidades únicas. Ao nascer, temos uma trajetória a percorrer. A singularidade da alma, as características que cada um traz dentro de si, é o que nos torna especiais. Não existem duas pessoas iguais absolutamente todos os sentidos em meio há sete bilhões de pessoas. E ainda assim conseguimos nos sentir sozinhos ou desconectados às vezes.

A conexão é um dom nato. Ou seja, vem naturalmente e está implantada em nosso DNA. Não é preciso esforço para se conectar com os outros. É preciso esforço para conectar-se a si mesmo. Se todas as pessoas do mundo são feitas do mesmo material, então o que reside dentro de cada uma delas é o que reside em mim e em você, seja nossa vontade de vencer, sejam nossas fraquezas... Todos possuem os mesmos obstáculos e cada um tem o direito e dever de decidir por si mesmo como quer lidar com sua própria vida.

Quando nos sentimos sós ou dispersos, na verdade é o nosso interior que está desconecto. A nossa própria voz está sendo ofuscada pelo medo e pelas adversidades. Buscamos fora constantemente o que só podemos encontrar se olharmos para dentro. Por isso dizem que quando mudamos a nós mesmos, mudamos o mundo. 

Quantas vezes buscamos fora as respostas que sabíamos o tempo todo? Basta ouvir o que nosso coração diz. A vida é um fluxo constante, vibrando além das fronteiras, transportando suas sementes em todas as direções. Somos parte deste fluxo. Brotamos como árvores e com o vento aprendemos que é preciso flexibilidade para não quebrar. Somos a própria vida.

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Paciência e Persistência

Algumas coisas só o tempo é capaz de ensinar, como a serenidade adquirida através dos anos por aqueles que absorvem os conhecimentos que a vida dita. Se nos falam tanto em ter persistência e paciência, eu digo que a paciência é ainda o que mais nos falta. Paciência para saber a hora de abandonar barcos que não vão a lugar nenhum. Paciência para esperar da vida os presentes que virão no tempo certo. Crer que é possível, que se é merecedor e que depois de vencer as batalhas, que recompensas virão. Sentir lá no fundo do âmago que os anos terrestres nada são perto da vasta imensidão da eternidade. Trabalha-se hoje, com paciência e serenidade. Amanhã colhe-se os frutos.

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

De novo, NÃO!

Nós normalmente criamos padrões de relacionamentos afetivos, sociais e empregatícios. Nos condenamos a viver presas a coisas, situações e pessoas que não nos trazem o menor benefício. São empregos medíocres, relacionamentos amorosos que não satisfazem, amizades fúteis... e etc.

Se livrar desse fardo é realmente uma batalha difícil e quando conseguimos finalmente, não queremos passar por isso nunca mais. Repetimos os padrões até que tenhamos consciência deles e então começamos o processo de desligamento. Doloroso e extenso, porém uma vez feito, não é necessário fazer de novo.

Encontrar um emprego que nos satisfaz é difícil e tomar decisões é sempre um ato de coragem e ousar é a palavra chave. Riscar da nossa vida completamente os que se dizem amigos e visivelmente não são também é um ato que demanda o nada fácil exercício do desapego. E no que diz respeito a relacionamentos afetivos, depois de identificarmos o padrão e desfazê-lo, não vamos deixar magoarem nosso coração tão facilmente.

Desprender-se do ciclo de auto-destruição. A única pessoa que pode fazer isso por você, é você. Nada na vida é fácil e tudo precisa ser estruturado em dois pilares: paciência e persistência. Coragem para dar o primeiro passo e arriscar ser feliz de uma vez por todas.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Nunca é Tarde

Não confunda carência com amor. Nem solidão com amor próprio. Não confunda sua análise pessoal sobre algo com a de todo o mundo. Nem o silêncio com a falta do que falar. Não confunda saudade com romance. Nem amizade com envelhecer juntos. Não confunda seu batimento cardíaco com interesse. Nem seus sentimentos com a razão do seu cérebro.

Não confie em quem lhe jura amor muito rápido. 
Não confunda seus sentimentos com o que os outros dizem sentir. Provavelmente eles estão carentes e solitários, assim como você já esteve.

terça-feira, 20 de novembro de 2012

O que o Destino lhe Reserva?

Pensando nas situações que fazem os caminhos das pessoas se cruzarem ao longo da vida, cheguei a conclusão de que não passa uma só pessoa por nós sem que haja um verdadeiro sentido.

É claro que foge ao nosso alcance no momento compreender esse sentido e avaliar o que fazer com ele... Muitas vezes precisamos apenas aceitar e conviver com isso.

Tenho muita vontade de dizer a algumas dessas pessoas o quanto as admiro e o quanto estou feliz de poder ter suas presenças ao meu lado, mas nem sempre isso é interpretado da maneira correta hoje em dia.

Tudo que dizemos tem três interpretações: o que foi dito, o que a pessoa entendeu e o que queríamos expressar e que as palavras não deram conta.

Sentimentos não podem ser descritos. E quando tentamos traduzi-los, acabamos trocando os pés pelas mãos e normalmente o sentimento muda no meio tempo... Então a melhor coisa que eu aprendi é ter paciência com o que destino reserva.

Tudo tem seu tempo e nem todas as coisas do mundo necessitam das palavras para existirem. Algumas coisas simplesmente existem, assim como algumas pessoas simplesmente brilham...

domingo, 19 de agosto de 2012

Respeito

Algumas pessoas não sabem o que o respeito significa. Mas isso não quer dizer que eu também não saiba. Por mais irritada que eu fique por dentro, sempre tento manter em mente que tais atitudes são perdoáveis. "Ele(a) é só mais um entre os meus outros 7 bilhões de irmãos". Ninguém é melhor que ninguém, ninguém merece menos amor ou menos perdão. Então respiro fundo, conto de um à dez, respiro de novo e continuo o meu dia.

Penso que se não sei o que aquela pessoa já enfrentou na vida, é perfeitamente compreensível que ela não faça a mínima ideia do que eu já enfrentei também.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Dê Permissão à Luz

Há diversos pontos na vida em que nos defrontamos com as questões "Quem somos?", "De onde nós viemos?" e então essas questões podem seguir por dois caminhos: ou caem em um buraco negro quando nos defrontamos com as atrocidades humanas e continuam com "Que tipo de raça cruel é essa?", "Porque eu nasci no meio de tanto lixo?" ou tomam um caminho mais elevado.

Apesar de algumas perguntas serem fruto do medo e da frustração e nos paralisarem muitas vezes, há também as perguntas iluminadas que nos motivam a ir em frente. São estas as dúvidas elevadoras. Elas começam iguais "Quem somos?", "De onde nós viemos?"... Mas ao invés de seguir e ver somente o que há de mais sórdido e pérfido no ser humano, elas seguem para um rumo mais luminoso.

A mutação para o lado iluminado está ao seu alcance tal qual podemos visualizar. Basta prestar atenção nas pessoas que trabalham em prol da luz e deixar que elas nos ajudem. Assim, veremos a beleza do mundo, das flores, do sorriso das crianças e nos deixaremos envolver pelo caminho certo e as dúvidas elevadoras: "Como eu posso ajudar?", "Quem pode nos ajudar?".

Nesse momento um facho de luz se estenderá do céu sobre nós e os nossos passos começarão a caminhar junto ao progresso. É a fagulha necessária para pôr fogo à brasa que é a luta para tornar este planeta um espelho dos altos espaços elevados.

Nós podemos, nós conseguimos. É somente isso que precisamos pôr em nossas cabeças. Não há no mundo encargo, barreira ou pessoa capaz de dizer que nós não somos ferramentas essenciais a esse tratamento de mudança. Todos podem ser, basta querer. Não insistamos em pessoas que ainda estão cegas, pois cada vez que nos deixamos levar por isso, cedemos a escuridão e deixamos que tudo ao nosso redor se torne nebuloso e confuso. Você se perderá por alguns momentos sempre que ceder ao capricho do despeito por cada pessoa que não quiser mudar em prol do bem maior. Resista.

Façamos tudo que estiver ao nosso alcance para tornarmos pessoas melhores.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

O Amor Fortalece

Parece título de livro de auto-ajuda. Mas essa frase é uma grande verdade, eu acredito.

Existem muitos tipos de pessoas fortes; há aquelas que são fortes pelos filhos, aquele tipo de mãe e pai que nunca mais adoece para poder ser a fortaleza do lar; há aqueles que com garra e determinação alcançam seus objetivos, como passar em uma prova difícil, esforçar-se no emprego e etc. E há aquelas pessoas que são como rochas presas a margem de um rio, essas lutam apenas para manter-se vivas e acabam não fluindo com a correnteza. Nem por isso esse tipo de gente merece menos respeito, porque ser forte sem amor também requer muita coragem.

Vamos falar da força que o amor traz a aqueles que o tem em sua vida, por algum motivo, seja por merecimento ou acaso. O amor nos faz sorrir muito mais e querer nos agarrar com unhas e dentes em todas as oportunidades que temos. É um sentimento que nos diz alta e claramente "Você pode, você consegue, se é isso que você quer."

Eis que surge um sentimento interno de estar fazendo a coisa certa, que se esse sentimento existe é a prova de que você está se completando, se tornando integral. A energia que existe entre você e o que você ama, funciona como um catalisador, como se fosse um objeto que liga você à vida. Você se sente mais forte e de fato é mais forte com isso. 

Seja um amor profundo pelo que você faz, sua profissão, seja por sua família, seus filhos, seus pais ou amigos e demais afetos. O que importa é que você tenha algo pelo qual valha a pena acordar e lutar todos os dias.

Quando não temos amor, é muito mais pesaroso. Nos sentimos vulneráveis, ficamos enfraquecidos e abatidos. Então, nesse caso, ainda que você se torne uma rocha presa à margem, agarre-se nela até encontrar algo interessante que valha a pena um bom mergulho na correnteza. Mas nunca, nunca, nunca deixe que seu corpo vá para fundo e desapareça na escuridão de alguém que perdeu toda a fé.

domingo, 15 de janeiro de 2012

Aos Verdadeiros Guerreiros

Estamos tão distantes de onde gostaríamos de estar algumas vezes, que não podemos nos menosprezar por seguir em frente. Há aqueles que gostariam de estar no céu, voando por entre as nuvens, mas estão aqui plantados no chão, como se suas raízes fossem tão profundas que nunca pudesse se desprender de fato.
Há também aqueles que almejam uma tarde calma, com uma brisa leve, deitado nos campos floridos e ouvindo o som do vento batendo nas folhas das árvores. Mas estão aqui, no caos urbano em meio a fumaça e sons humanos ou metálicos.

Há aqueles que gostariam de sentir o vento na pele, o sacolejar leve do cavalo abaixo do corpo, correndo rumo a liberdade dos campos verdes sob os céus cinzentos. E estão aqui, presos em escritórios.

Há aqueles que amam o sol, mas enxergam a beleza da chuva e como eu, sentem-se gratos por essa dádiva de ter um suprimento tão importante que literalmente cai do céu.

A você que presta atenção nas coisas, que sente verdadeiramente quem é e o que gosta. A você que não se deixa enganar por esse mundo rebelde e sufocante. A você que todos os dias acorda, respira fundo e sai para enfrentar a hostilidade presente em cada esquina. A você, verdadeiro guerreiro, que um dia correu por aí erguendo espadas ou esteve livre em meio aos campos, nem que fosse por somente uma tarde. A você que sente, lá no fundo, que o mundo de verdade não é esse.

A você que tenta melhorar e ser mais homem ou mais mulher, que honra o que trás no seu coração. A você, o meu respeito, a minha admiração e um desejo ardente de que um dia você consiga estar onde seu coração fica em paz.

Os Campos Elísios nos aguardam.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Quem é este aí no meu espelho?

Nos preocupamos trancando bem as portas e janelas da casa e tomando cuidado para protegermos nosso bens materiais de danos ou mal feitores. Há quem diga que também protege seu próprio coração, pois já sofreu muito na vida e hoje pondera quem será permitido chegar perto. Mas tanta preocupação com o que vem de fora, faz com que esqueçamos um dos maiores predadores e talvez o mais potente em nos destruir: aquele que vemos no espelho.

Quando encontramos as nossas falhas, enxergamos nossos vícios, o mundo lá fora chega a parecer acolhedor, tamanho é a nossa força interior destrutiva. É assustador olhar a si mesmo muitas vezes. Somos como vilões sabotando a própria vida. Podemos colocar a culpa em fatores externos e realmente eles muito tem a ver com o que nos tornamos, mas  nós é que nos permitimos ser o que nos transformamos e também está apenas em nossas mãos a chave da mudança.

Enfrentar o furacão que está o mundo hoje em dia não é fácil, mas enfrentar o que está dentro de nós é ainda pior. Aquele que consegue o milagre de modificar-se por completo, conseguirá mais facilmente realizar outros milagres. Um passo de cada vez.

A peregrinação interior é a mais importante de todas, pois ela é nosso passaporte para o que queremos ser no futuro.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Retrospectiva 2011

Passei o ano todo tentando equilibrar o conselho que recebi de um ser muito especial:
"Nunca estamos acima dos outros, mas também nunca estamos abaixo. Somos todos iguais."

Aprendi que abrir mão de certas coisas, às vezes serve para que não tenhamos de abrir mão de outras. Se eu não estou abaixo dos outros, então porque me submeter a tantas coisas as quais não aprovo para poder eu mesma ser aprovada por essas pessoas? A resposta é que isso não é necessário.

Ao contrário dos anos anteriores, não realizei nenhuma viagem neste ano. Toda minha trajetória foi interna, sem que eu precisasse tirar os pés de Porto Alegre.

Conheci uma porção de gente boa que ajudou a reestruturar mais um pouco minha fé no lado bom das pessoas. Outras eu já conhecia, mas tornaram-se peças fundamentais no meu quebra-cabeças. Gostaria muito de agradecer todas elas, mas seria impossível citá-las na íntegra. Todavia, há dois agradecimentos especiais:

Estamos quase sempre em sintonia de vibrações e quando não estamos, quem está mais feliz, puxa a outra para cima. Essa pessoa marcou o meu ano anterior e muito mais este que se encerra daqui a pouco. Não é a primeira vez que agradeço esse ser tão iluminado por fazer parte da minha vida e, com toda certeza, não será a última. Desejo que estejamos presentes na vida uma da outra por mais uma centena de milhares de anos a frente. Eu a amo demais!
Depois de ter feito altas declarações sobre o quanto ela me ajudou a ver a vida, sei que andei ausente e que ela também se manteve ocupadíssima escrevendo mais livros que tocaram e tocarão muitas outras pessoas. Mas é como diz o ditado "Aqueles que tocam nosso coração permanecem sempre conosco". E uma vez que eu tenha sentido que uma pessoa fez parte da minha vida, então sempre fará. Algum dia, quando eu terminar de passar por todas essas mudanças que transformarão a pedra bruta em algo bonito e lapidado, escreverei um livro a altura e dedicarei uma página inteira a autora que me deu a motivação suficiente para seguir o meu grande sonho.

- Aprender com nossos erros a não errar novamente (mas se acontecer, mesmo assim não desistir);
- Lutar para ser uma pessoa melhor;
- Respeitar todo ser vivo que vive ao nosso redor;

E para finalizar, lembremos que não importa o que aconteça: nunca estamos sozinhos e que algo grande nos aguarda nesses próximos dias. Tenhamos fé no grande poder que vive em nós e aprendamos a amar a todos incondicionalmente.

Usando as palavras que a Vanessa Bosso escreveu na dedicatória que colocou no livro 2012 - Uma Aventura no Fim do Mundo:

"2012 vai ser o que você desejar".

domingo, 18 de dezembro de 2011

Limões

Olhando para um céu espetacularmente estrelado ontem a noite, eis que me surge um assunto que eu gostaria de partilhar. O que você sente a respeito da frase "Se a vida te der limões, faça uma limonada"?

Às vezes penso que não comando minha vida, pois a maioria das oportunidades que tive apareceram de repente. Quando muitas vezes tentei segurar as rédeas por conta própria com unhas e dentes parece que ela estacionou e não aconteceu mais nada durante um bom tempo. Somente quando me acalmei e pude esperar um pouco foi que as coisas começaram a andar novamente.

Podemos não morar na casa que gostaríamos, ter o emprego dos sonhos ou a família que almejamos, mas na maioria das vezes é o que necessitamos. E até que aprendamos a aceitar e lidar com isso, não teremos o que sonhamos de verdade.

Os sonhos começam a se realizar quando aprendemos a usar o que temos no momento atual. Muitas oportunidades vem de onde menos se espera. Façamos limonadas, façamos caipirinhas ou a dieta do limão com os nossos limões, mas não os desperdicemos esperando que eles azedem e não sirvam para mais nada. Aprendamos a viver com o que temos no momento, para abrir os caminhos para o futuro :)

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Meditação

Após algumas leituras sobre meditação, verifiquei que muitas pessoas enfrentam problemas de concentração. A dica essencial que consegui fazer com que funcionasse comigo é que mudemos o foco principal. Se para atingir um nível de concentração não conseguimos esvaziar a mente de nossos problemas, então vamos encher com uma coisa útil: música.

Eu coloco os fones de ouvido e sintonizo uma seleção de músicas exclusivas para este tipo de momento. A variedade é boa e podemos utilizar seja em qualquer tipo de meditação, seguindo qualquer preceito hinduísta, budista, cristão ou apenas espiritualista. O foco na música e sentir ela de verdade, cada nota, vibrando nas nossas células e contando ao nosso cérebro inconsciente algo que ele entende muito melhor que o cérebro consciente.

A prática da meditação é excelente para melhorar em muito a nossa vida. Ela nos traz serenidade, que é um fator essencial ao ser humano nos dias de hoje. Aumenta a concentração em focos de uma situação - o que facilita na resolução de diversos assuntos. É uma arma eficaz para estudantes, afinal, além dos benefícios acima citados, ajuda na memória! Sem falar nos benefícios espirituais, já que nos tornamos bem mais conscientes de quem somos.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

O Que Faz a Roda Girar? (Grande Eu)

Há momentos em que tudo ao nosso redor desmorona, mas é aí que damos aquela sacudida interior e nos perguntamos o que estamos fazendo. É a roda da vida girando mais uma vez. O desânimo bate, a força diminui, mas há algo dentro de nós que não desiste da fé.

Uma frase negativa que surgiu na minha mente pouco tempo atrás que dizia "Não importa o tamanho da dor, eu simplesmente não morro."

Fazendo uma análise rápida sobre ela, creio que meu consciente queria dizer que dói muito. Mas e o meu sub-consciente? Ele queria me avisar de que não importa o quanto doa, há algo em mim que prevalece lutando. Então procure ter sempre em mente que tudo que acontece com você é para seu crescimento. Até o que você diz tem algum significado mais amplo, portanto preste atenção nas suas palavras. O meu "grande eu" - ou "eu superior", que é como costumo chamar o nosso eu verdadeiro, é a nossa conexão com a energia cósmica. É ele quem lidera nossa vida, atraindo dificuldades pertinentes a nossa evolução e que nos enfia nos problemas mais angustiantes, na esperança de que aprendamos com eles a nos purificar. É ele que nos mantém vivos, que nos dirige por aí e tenta ininterruptamente nos abrir os olhos para as grandes verdades que estão bem ao alcance dos que querem ver. Ele é o que você chama de Deus, que mora dentro e fora de nós; É a vida; É o responsável pela criação. Portanto, esse "grande eu" passa tempo integral nos chamando para a realidade:

O mundo onde as conquistas são possíveis e o universo é nosso lar.

Muitas vezes temos consciência disso, mas em outras vezes acabamos cedendo ao lado errôneo e temos de ser chamados a vida novamente. O "grande eu" confia em nós. A prova que temos disso é que estamos aqui. Se fossemos perda de tempo, não estaríamos vivos, respirando, lutando, sofrendo, aprendendo e nos renovando a cada dia. Nenhum de nós é uma causa perdida. Pode acontecer de mudarmos de endereço, de planeta, de função, mas ainda vamos existir e caminhar rumo a luz. Seja de forma acelerada em determinados momentos, seja a passo de tartaruga em outros. Mas todos somos capazes de crescer e nos modificar. Todos podemos nos unir gradativamente até chegarmos ao Uno - o Grande Eu de todos os universos. Todos que tem a vida dentro de si são capazes disso, só precisam ser lembrados vez ou outra e ver a si próprios não como errantes, mas como seres em evolução. Precisam ver na pessoa ao lado não um semelhante e sim a si próprio, pois dentro dessa pessoa também há um "grande eu", que lá na frente, bem lá no topo da escada do crescimento, é o seu próprio "grande eu". Essa pessoa é você, em algum estágio de evolução diferente, ela e todos os outros seres de todos os universos são você em etapas diferentes.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Ontem, Hoje

"Amanhã é outro dia."
Frase clichê, porém verdadeira. Ontem quase excluí o blog, mas ponderei, afinal já tive essas crises antes inúmeras vezes e sabia que podia me arrepender depois. E é exatamente o que teria acontecido, já que tem muitas coisas aqui que foram e serão úteis a tantas outras pessoas e inclusive para mim mesma.

Fiquei pensando de ontem para hoje que a falta de amor externo pode nos fazer muito mal. A gente seca por dentro, murcha. Mas na verdade o amor que precisamos não é o dos outros, é o nosso próprio. Precisamos urgentemente parar de transferir aos outros uma responsabilidade que é nossa. Temos algumas pessoas que nos amam, mas a verdade é que queremos mais, nossas expectativas são outras. E é aí que abrimos espaço para a faca da auto-mutilação adentrar nosso ser, machucando o que não precisava ser machucado.

Infelizmente precisamos passar por isso, chorar, sofrer, querer morrer, para no outro dia, quando o sol raiar, respirarmos, abrir os olhos e pensarmos "Ainda estou aqui" e então parar de ter pena de si mesmo.

Toda dor serve para que nós aprendamos alguma coisa e cresçamos com isso. Por exemplo, eu estou aprendendo a aceitar o amor de algumas pessoas e não esperar nada de outras. A vida é assim e nem sempre o que nós queremos é possível. Tudo é ferramenta para construir quem somos.

"Tudo é vento para o moinho da cura." Já dizia Brian Weiss em suas sábias palavras.

Não posso afirmar que não terei mais essas crises como a que tive ontem, afinal isso está longe do meu poder de decisão, mas posso lutar mais fortemente e saber que vou ter ajuda novamente quando elas acontecerem (se acontecerem). Eu vi o que não pedir ajuda pode fazer com uma pessoa e é realmente muito triste!

Quero dizer aqui o meu muito obrigada a essas almas maravilhosas que ontem me estenderam as mãos: Thomas, Maraysa, Swu e Luiz.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Dor e Sofrimento

Você já viveu momentos em que o fato de estar vivo e respirar chega a doer? O desespero bate e a dor explode nosso ser no que parecem milhões de pequenos fragmentos. E parece que esses fragmentos jamais se juntarão para ficarem da mesma forma que eram antes de serem estilhaçados.

É nessa hora que grandes lições são aprendidas.
Por algum motivo que desconheço, parece que o ser humano gosta de sofrer. Existem opções através do amor para um grande crescimento, mas as pessoas escolhem o caminho mais difícil. O subconsciente arquiteta o lado mais obstruído e doloroso para ser o seu caminho, como uma espécie de mártir. O problema é que nessa tentativa mártir, muito se perde e às vezes são necessários anos passando pelos mesmos problemas para que surja uma saída. Quanto mais nos mexemos na areia movediça, mais afundamos. E quanto mais no fundo, mais difícil é voltar a superfície.

Temos esse pré-conceito enraizado em nossos cérebros de que somos culpados e merecemos punição por uma porção de coisas, ainda que exteriormente culpemos aos outros. O medo é o pior obstáculo na vida da gente, somos paralisados por ele e cometemos atos ridículos quando tentamos nos livrar dele de forma superficial. A insegurança é a maior causa dos problemas das pessoas. Fazemos uma infinidade de coisas idiotas por medo de que coisas terríveis possam nos acometer. E deixamos de fazer coisas maravilhosas pelo mesmo motivo.

Às vezes é preciso abrir mão de alguns conceitos e ir a luta. Ficar parado na maioria das vezes nos causa muito mais transtorno do que sair atrás do que se deseja. Porque os problemas vão acumulando, enraizando, vamos afundando, e tudo isso para que um dia aprendamos a lidar com aquela situação. Até que isso aconteça, só dói e dói mais ad infinitum.

Se não fizermos nada para mudar o que está errado, estamos apenas perdendo um tempo precioso enquanto esperamos a solução cair do céu. Mas se resolvermos dar uma chance a nós mesmos, assumir riscos e dispor espaço para que o destino nos dê um empurrãozinho, muitas aventuras bem sucedidas podem acontecer!

Se queremos ter menos contas a pagar, gastemos menos, oras! Vamos para a rua, curtir a natureza, ler livros e deixar os afazeres elétricos reduzirem. Reciclar objetos pessoais, roupas, sapatos, doar o que não estivermos utilizando. Participar de movimentos assistenciais. Praticar meditação. Se queremos emagrecer, promessa para santo é que não vai dar certo se não modificarmos nossos hábitos alimentares de verdade e praticarmos exercícios. Levemos em conta o nosso biotipo, também, ser saudável é o mais importante. Se queremos viajar e não temos dinheiro, tentemos juntar uma grana gastando menos em bobagens ou fazendo trabalhos extras, como artesanato ou muffins. Muita gente ganha uma boa grana vendendo lanche nos locais onde frequenta ou trabalha.

Usar a criatividade. Libertar-se do passado, não pensar tanto no futuro. Viver o presente, pois o tempo é uma ilusão: ele se arrasta quando fazemos algo desagradável e voa quando fazemos algo que nos dá prazer, logo é uma questão de ponto de vista. Perdoar-se, perdoar os outros. Viver a vida hoje.

Se é uma situação onde dói pensar na vida, respirar fundo, contar de 10 a 1, levantar a cabeça e pensar no que podemos fazer para sair dessa situação. Fazer. Se é algo que está fora do alcance, então está fora do alcance. Ponto final. Certificar-se de ser dono da sua própria vida. Até para a morte existe saída se você é daqueles que acredita em reencarnação.

Conselhos são ótimos, mas quando alguém lhe diz "Não se arrisque", ela pode ter vários motivos. Entre esses motivos, pode ser que ela lhe ame e tema que algo de errado lhe aconteça. Também pode ser que ela tenha desejado fazer o mesmo que você no passado e não teve oportunidade. Ou pode ser que ela está dando um palpite furado apenas. Pensemos nós nos riscos para descobrir ser os conselhos são válidos! 

As oportunidades nunca são exatamente perdidas, mas podem levar muito tempo para se repetir. "Deus fecha uma porta e abre outra", sim, teremos muitas oportunidades, mas só vamos saber o que existe do outro lado das portas se as atravessarmos.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Happy B'day to me :)

Mais um ano, mais vida.

Hoje, mais que nunca constatei o que digo todo ano: sobreviver mais um ano é algo no mínimo importante. Todas as pessoas deveriam viver como se cada dia fosse aniversário de todos: comemorar que estão vivos aqueles que amamos dia após dia.

Não deveria ser uma celebração de apenas um dia no ano na vida de cada pessoa, e sim todos os dias, na vida de todos.

Hoje recebi um carinho imensamente especial da minha colega de trabalho, Débora. A menina atravessou a cidade com uma torta muito linda que fez em comemoração ao meu aniversário! Foi um gesto genuíno de afeto, e podem ter certeza que nunca será esquecido! Me emocionei demais!

Outro fato que arrancou lágrimas de felicidade, e como eu disse antes, fez o meu rímel ir parar no queixo, foi a ligação mais que especial da minha super amiga-irmã, Maraysa! Quando eu vi o celular tocando e o nome dela escrito, meu coração pulou de felicidade! Mais ainda quando atendi e ela entrou cantando "Parabéns pra você! Parabéns pra você!" :')
Só teria sido mais perfeito se ela estivesse aqui (e aí sim não haveriam lenços suficientes para tanto chororô).

Então, esse aniversário apesar dos pesares - e olha que houveram pesares que foram pesados, foi muito emocionante. Recebi o afeto de pessoas que eu nem esperava, então isso supriu os outros fatores.

Agradeço imensamente o carinho daqueles que se importaram em me doar um pouco de atenção por hoje, e saibam que me fizeram muito feliz!

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Construa-se

Acredito que o homem que se apega à riqueza material e acredita que nela construirá o seu caráter, poderá ver com desgosto ruir cada pedra e se esfarelar em pó a sua dignidade antes que se vá desse mundo. Porém aquele que alimenta seu espírito com sabedoria, generosidade e humildade verá um império de luz crescer dentro de si mesmo e levará consigo o amor mais profundo daqueles por quem tem afeto.

Acredite nisso e não se deixe encantar pelo que lhe parece ouro.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Medo?

Não tenho medo de mudar conceitos ou me contradizer porque mudei de opinião.

Tenho medo é de ficar estagnada, de atrofiar o cérebro. De me tornar uma ameba que apenas circula por aí sem eira nem beira. Temo a perda da busca, a desistência da vontade de conhecer. Temo tornar-me nula até que vá embora deste mundo.

domingo, 1 de maio de 2011

Renovando-se Todos os Dias

Quem me conhece um pouquinho que seja está ciente que vivo em uma transição, falando em mudança sempre. Todos os dias aprendo coisas novas e mudo minha forma de pensar. Às vezes paro um tempo para refletir antes de prosseguir, mas cada passo tem de ser dado pelos meus próprios pés e na velocidade que eles atingem. O que acontece quando tento acelerar é um belo tombo.
Tenho seguido deslumbrada pela quantidade de coisas possíveis de se aprender em uma mesma vida. E principalmente, com a quantidade de erros que cometi e pude me dar conta!

Agora nesse novo emprego tenho estado sempre nervosa, com aquela sensação de precisar fazer tudo certo. Então tenho que parar para respirar fundo diversas vezes ao dia e repetir a mim mesma "Calma, respira mulher!" Mas acredito que isso faça parte do processo também, certo? Eita ser difícil esse tal de humano, sô!

Abraço a mim mesma mentalmente nessas horas, me dou um tapinha nas costas e digo "Ok, errou... agora pare de chorar e vá consertar sua vida."

Novamente estou tendo que lutar para manter o auto-controle e me manter atenta aos sinais. (Ok, eu sei que às vezes há sinais em placas neon, mas vamos combinar que nenhum ser humano é muito esperto. Da próxima vez tentem um mundo só de cães ou outros animais mais adestráveis.)

Gostaria de indicar por fim a quem ler esse monólogo interior a leitura do livro De Todo o Meu Ser, da Mônica de Castro que é mesmo muito bom. Ainda não terminei, mas já tem me feito um enorme bem. E se você nunca leu um romance espírita e já está aí vociferando preconceitos para se sentir menos frágil, pense duas vezes no que vale mais: sua vida ou o que você supõe que as pessoas pensam a respeito da sua vida? Ninguém salvará você exceto você mesmo, tá bem? Busque suas respostas, modifique-se. Não contente-se com o pouco que o mundo ao seu redor lhe oferecer. Vá em busca das suas próprias verdades. É o que eu acredito que dá certo pra gente \o/

Peço a você que está lendo que não desista de você mesmo e nem do mundo ao seu redor. Pode ser que agora você não entenda o motivo de muitas coisas, mas a sua alma entende e um dia isso será esclarecido.

quarta-feira, 23 de março de 2011

2012 - Uma Aventura no Fim do Mundo

Não costumo fazer resenhas de livros, no máximo digo que foi bom ou ruim, mas dessa vez preciso comentar algo além do simples "recomendo".

Participei de uma promoção no blog Extensão Literária, onde era para fazer uma lista com alguns itens criativos para se levar a um abrigo em 2012.
De fato, poucas pessoas se inscreveram e eu acabei ganhando dois livros. Um deles dei de presente para uma tia e o outro peguei, li umas três páginas e como acontece com a maioria dos meus livros, voltou para estante esperando que um dia eu me lembrasse dele.

Ando passando por uma fase estagnada. Falta de motivação, adormecimento espiritual, preguiça de viver, enfim, estava cega. Era cômodo. Mas de tanto rezar por uma elucidação - ontem a noite tive uma conversa séria com Deus, pedindo um braço que me puxasse para fora do poço, e como que por mágica resolvi lembrar deste livro e o ler. Comecei ontem a tarde e terminei hoje. E de fato, foi um belo puxão. Foi como um tapa na cara gritando "acorda guria!"

Chorei emocionada em diversas passagens e principalmente no final. Foi como se um grande vazio tivesse sido arrancado de dentro de mim.Meus sonhos com as catástrofes voltaram e minhas intuições também, já há um certo tempo, mas tudo que eu conseguia fazer era ficar assustada e confusa com isso. Com uma opressão gigante. Até me peguei dizendo esses dias para Maraysa que tinha medo de estar perdendo tempo sem me preparar melhor para encarar a vida.

Era exatamente o que eu estava fazendo. Perdendo tempo amedrontada, cega, surda, muda, no escuro. E a Vanessa (autora do livro) foi a minha luz.

Fui dormir ontem com uma verdadeira vontade de sair por aí revolucionando. Acordei assustada com o sonho de uma onda gigante invadindo um prédio e espatifando um vidro da janela que se cravava nas minhas costas. Mas passado o episódio eu o interpretei como um furo por onde saíram as energias pesadas que estavam em mim.
Levantei bem disposta, confiante, renovada. Fui a uma nova entrevista de emprego e ficaram de me dar o retorno até segunda-feira, mas independente da resposta, me sinto totalmente mais confiante para o que der e vier.

Até resolvi procurar a Vanessa na internet, encontrei e enviei uma mensagem narrando os fatos onde ela foi o instrumento da minha salvação. Para meu espanto e felicidade, a Vanessa é uma pessoa extremamente querida e acessível! Com certeza vamos ter muito o que conversar e pude ver em pouco tempo o tanto de luz que essa menina carrega. Espero melhorar tanto a ponto de irradiar luz por onde eu for assim como ela - "Quero ser como ela quando crescer!". 

Estou receptiva a amores incondicionais por hoje! Graças ao bom Deus que me ouve, me ajuda, me manda luz e envia as pessoas certas ao meu encontro sempre que peço!

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Caminhos

Todas as pessoas que cruzam o nosso caminho tem algo a nos ensinar, é o que acredito. Nem sempre a lição é feliz, mas sempre podemos utilizar algo de produtivo daquilo. 

Muitas vezes ao longo da vida, pessoas vão surgir e nos mostrar caminhos, mas a decisão de percorrê-los é só nossa. Em alguns caminhos vamos ver muitas dificuldades e outros parecerão simples. Algumas vezes poderemos trocar de caminho ou voltar o que andamos. Mas voltar atrás não significa perder o que aprendeu, afinal, os tombos deixam cicatrizes por algum motivo. Quando tivermos que regredir em um caminho é porque ou estamos no caminho errado ou alguma coisa através dele passou despercebida e vamos ter que passar por ela novamente. Se analisarmos toda nossa trajetória, podemos encontrar pedaços que se repetiram, e isso significa que algo ainda tem de ser feito para aí poder seguir adiante. Não importa o quão longe fomos daquele desvio, vamos passar por ele de novo até que aprendamos algo com ele.

Toda situação negativa tem um lado positivo para ensinar, afinal, é com os erros que se aprende a acertar. Podemos lamentar pelos erros e nos sentir mal, mas não deixemos que isso nos consuma impedindo que vejamos o que há mais a frente.

Agradeçamos as pessoas que passam pela nossa vida, mesmo que elas nos levem por caminhos ruins. São eles que nos ensinam a valorizar o que há de bom. E mesmo essas pessoas também passarão por um bocado de caminhos ruins até encontrar quem os leve pelos melhores.